março 23, 2011

Silêncio


Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

__
Queridos, estou colaborando com o site ArtNativa, Um site sobre arte que conta com uma equipe de escritores apaixonados pelo que fazem, o que certamente torna tudo mais belo. Visitem e divulguem, basta clicar em 'curtir' na caixa do Facebook (:

54 comentários:

  1. Tô indo conferir o site, Vê.
    E dá vontade de vir pedir por textos seus aqui sempre, mas eu entendo o porquê dos tão poucos posts. O que importa é que sempre que você aparece por aqui, seus textos supreendem e calam, acalmam, se encaixam em tantas vidas.
    Gostei muito, como sempre!
    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  2. a arte de sorrir mentiras é sem duvida das mais doloridas...

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus! como vc pode colocar o meu ' eu' aí?
    parabéns pelo texto!
    terá mais uma fã!
    amei todas essas linhas!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Sorrir mentiras é o que mais as pessoas fazem... é bem mais fácil se esconder atrás de um sorriso nesse mundo tão incompreensível...
    Conheço-te a pouco, mas já sou sua fã!

    Parabéns

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto novo. Também ando sorrindo mentiras.
    Bejos ;*

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Não vou comentar que tu sempre me surprieende, porque isso já se tornou clichê. Dessa vez vou comentar que não importa o quanto demore, tu sempes aparece na hora certa, vem e diz (escreve) o que muitos não conseguem dizer, e me faz ver um novo caminho, um novo rumo, uma nova chance.
    "Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém."

    Obrigada Verônica, por escrever maravilhosamente bem, de verdade. É uma honra te ler. Parabéns, mas um texto maravilhoso como sempre, creio que esse agora se tornou um dos melhores para mim.

    E pretendo acompanhar tudo o que tu participar, como o ArtNativa também.

    ResponderExcluir
  8. texto lindo e me identifiquei muito, como sempre. parabéns e não pare de postar! :)

    ResponderExcluir
  9. como posso dizer: eu estou sentindo o mesmo, em outras palavras?

    ResponderExcluir
  10. Me identifico tanto com suas palavras que às vezes até me assusto. Passo por aqui sempre, não só pra ler seus textos que são ótimos, mas também pra me encontrar, pra encontrar as palavras que significam exatamente o que eu penso e sinto.

    ResponderExcluir
  11. Maravilhoso o texto,mais uma vez parabens.Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns, estou me apaixonando pela sua escrita. E eu acho que em algum momento as pessoas devem se sentir assim mesmo, tão humanas, tão vazias e precisando de sentir o coração bater, enfim, precisando ser mais "eu" do que o que os outros esperam.

    Amei o texto!

    ResponderExcluir
  13. sou simplesmente apaixonada pela sua escrita! igual a você ninguém mais faz!

    ResponderExcluir
  14. Mais um texto maravilhoso *------*

    Amei demais!

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  15. Todo dia venho aqui atrás de textos novos, mas confesso que vale a pena esperar para lê-los. Sempre me surpreende e se encaixa exatamente com os momentos que passo. Admiro muito teus textos e a objetividade com que escreve.

    ResponderExcluir
  16. que honra receber um recadinho seu
    ;)
    adoro tanto suas palavras
    bjos ;*

    ResponderExcluir
  17. Vc esta de parabéns!!!
    Tds seus poste são perfeitos.
    Vc sabe mto bm expressar cada palavra, isso q é super legal
    Me inspiro em vc mto ^^
    Bjx

    ResponderExcluir
  18. Oi Verônica! há tempos não vejo algo tão bom,tão prufundo,talvez tenhas nascido com este dom,para com os teus poemas abrir corações fazendo-os sorrir novamente.meus parabens,voce é otima.

    ResponderExcluir
  19. Olá! Estava navegando na blogosfera e me deparei com teu blog, adorei!
    Amo fazer novas amizades, conhecer pessoas, trocar idéias, novas perspectivas, algum sentido pra tudo isso aqui.
    Teu cantinho é belo, cativante, já estou te seguindo com o maior prazer!
    Vc é showwwwwwwwwwwwwww.
    Se puder visita meu blog, e conheça um pouquinho desse ser complexo kkkkkk..
    Abraços apertados!

    *´¨)
    ¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
    (¸.•´ (¸.•` *♥ Jussara Christina ♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥

    ResponderExcluir
  20. Disponha, gosto mto dos seus textos. ^^

    ResponderExcluir
  21. O silêncio é a dor contida na distração do amor inacabado...

    Lindo Vê!

    ResponderExcluir
  22. Adorei o texto, em especial esse trecho "Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém". Tudo a ver comigo.
    beijos

    ResponderExcluir
  23. Ouvir, respirar, silenciar..
    são tão importantes !


    bjs linda, apareça mais no twitter.

    ResponderExcluir
  24. P A R A B É N S.!
    Eu adorei, e coloquei no meu espaço com seus créditos é claro.!

    Parabéns de novo a escrita é marqvilhosa e diz muito ao meu respeito hoje.

    um beijo.

    ResponderExcluir
  25. To apaixonada pelo teu blog, a tua perfeição em escrever. parabéns e, por favor, nunca pare de escrever

    ResponderExcluir
  26. sempre releio alguns textos por aqui
    uma lágrima escorreu aqui :P

    intensa sempre, bjos e boa semana ;;*

    ResponderExcluir
  27. Que "o mundo" nos permita e nos aceite ser quem e o quê a essência grita querer viver!

    Verônica, pra mim é um orgulho (e tb certa timidez) receber um elogio teu pelo que escrevo!
    Bom saber que agrado a quem admiro pelo talento de tantas linhas e escritos lindos!
    Seja sempre bem vinda ao meu blog, te sigo aqui e no twitter! :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  28. Meu Deus parece que vc me conhece desde que eu nasci....kkkkkkkkkk sério mesmo vc simplesmente me descreveu é isso > Tõ sem palavras...ameiii


    Não me sinto mais um lixo ** Com esse texto conseguir ver que talvez meus defeitos sejam minhas qualidades ;)

    ResponderExcluir
  29. " Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. "

    nem preciso dizer o quanto me identifiquei!!
    peerfeito ;))

    depois dá uma passada lá pelo meu! beijão :*

    ResponderExcluir
  30. Silêncio
    Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

    Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

    Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

    Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

    ResponderExcluir
  31. Silêncio
    Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

    Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

    Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

    Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

    ResponderExcluir
  32. Silêncio
    Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

    Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

    Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

    Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

    ResponderExcluir
  33. Silêncio
    Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

    Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

    Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

    Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

    ResponderExcluir
  34. Silêncio
    Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

    Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

    Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

    Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

    ResponderExcluir
  35. 1000 VEZES VERONICA

    ResponderExcluir
  36. Mais que perfeito!!! Como eu disse num texto meu: "...Quando chegar me abrace, me beije, me derrube, me belisque, me empurre, me inrrite, me tire do sério, do tédio..." é exatamente disso que eu preciso para esquecer os dias! Beijos linda!

    ResponderExcluir
  37. Oi... achei seu blog por acaso e fiquei horas lendo os textos... Me identifiquei muito e a vontade de escrever que tinha sumido d mim há um tempo retornou!
    Por isso, tomei a liberdade de postar uns trechos de alguns de seus textos no meu perfil do orkut...Claro que com os devidos créditos ao blog!!
    Espero que não tenha problema...
    Muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  38. Olà.

    Antes de me inscrever pra seguir um blog, leio vàrios textos, pra me certificar de que vale mesmo a pena. Mas apenas esse texto seu, tao bem escrito, tao sobrio na maneira de falar de sentimentos conturbados. Ja gostei. Ja virei fa. E seguidora.
    Agora, é me deleitar com a leitura dos outros textos.

    http://bernardoececilia.blogspot.com/

    *Sinto muito pela falta de acento. Teclado francês... :/

    ResponderExcluir
  39. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  40. Adorei o seu blog e também adoro escrever. Ainda não tive a oportunidade de ler todos os seus textos, mas tudo o que li foi suficiente pra perceber que você escreve com o coração, e isso eu admiro. Parabéns pelos seus textos incríveis. (:

    ResponderExcluir
  41. Nossa V. adoro seus textos.Sao muito bons e parece que refletem um pouco do sentimos ou pensamos.Estou indo visitar o site.Um grande beijoe fique na paz.

    ResponderExcluir
  42. Mentiras sorriem por aqui tbm!!
    Texto lindoo, parabéns!!
    Bejuu

    ResponderExcluir
  43. Há algo em Veronica H. que me comove demais.

    Será possível sentir demais e sentir de menos ao mesmo tempo? Sim, é possível, sou prova disso

    ResponderExcluir
  44. Texto ótimo, como sempre. Marasmo emocional é terrível.

    ResponderExcluir
  45. PERFEITO *-*
    Incrível como, sempre que apareço aqui, me identifico com os textos...
    e nesse momento, esse se encaixa perfeitamente.
    Parabéns!! Belas palavras.

    ResponderExcluir
  46. Eu passei pra matar a saudade do seu texto leve. Valeu a pena.

    Beijo Verônica.

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Texto perfeito! Como todos os outros da Madame Verônica... :)

    ResponderExcluir
  49. Lais Ficagna06 junho, 2011

    Texto ótimo, alias todos são. Parabéns.

    ResponderExcluir
  50. Você é demais!

    É incrivel!

    parabéns

    ResponderExcluir
  51. qria ter lido antes. gosti

    ResponderExcluir
  52. EU SOU SUPER SUA FÃ, VOCÊ SE SUPERA A CADA TEXTO. É DE PESSOAS ASSIM QUE A LITERATURA BRASILEIRA TA PRECISANDO, PARABÉNS .. SÃO TODOS LINDOS, NÃO COMENTO EM TODOS POQ A ANSIA DE LER ME FALA MAIS ALTO. PARABÉNS :)

    ResponderExcluir