junho 27, 2011

Avesso


Não consigo, não me adapto, não me conformo.
A rotina jamais me fará satisfeita porque eu tenho uma claustrofobia absurda de lugares e tempos. Estalo os dedos, batuco nos móveis, balanço freneticamente os pés. Preciso de ar. Falo o tempo todo porque o silêncio aumenta minha ansiedade, quero saber de tudo e conhecer todos os assuntos.
Vou roer as unhas de esmalte vermelho e pintar meus dentes de nervoso, vou quebrar as janelas para respirar novos ares. Quero gritar mais alto que a música e destruir minha limitações.
Então me busca, me tira dessa vida pela metade, me mostra o mundo. Eu quero mais de cada coisa que a existência oferece.
Essa prisão, essa pele. Estou vazando pelos poros e tenho medo de explodir. E se algum buraquinho entupir e eu não achar a saída? Meu corpo é muito pequeno e minha ânsia de liberdade queima as beiradas. Minha alma vai escapando, vai se moldando. Se esconde, diminui pra não se mostrar além.
Me liberta, me expulsa de mim. Mostra uma arte verdadeira, sem ensaios e apresentações semestrais. Quero perder a garantia por uso excessivo, gastar os saltos dos meus sapatos. Eu não quero nada impossível, quero realidade. Quero alma e vida de verdade.

só vejo beleza no que transborda
só me interesso pelo que ultrapassa
o comum não me comove,
o banal não me toca.
porque eu gosto é do avesso
e o contraditório é que me fortalece

35 comentários:

  1. Como sempre, muito bom. Me encaixei em várias partes, mas principalmente nesta: "Eu não quero nada impossível, quero realidade. Quero alma e vida de verdade." Descreve bem o meu momento agora :) Senti falta dos seus textos, rs.

    ResponderExcluir
  2. Lindo demais o texto, adorei cada linha. xD

    ResponderExcluir
  3. Ai, tirou meu fôlego!
    Perfeito!

    ResponderExcluir
  4. "o comum não me comove,
    o banal não me toca"
    Adorei! Muito bom quando você posta :)

    ResponderExcluir
  5. "Me liberta, me expulsa de mim. Mostra uma arte verdadeira, sem ensaios e apresentações semestrais."
    Que saudade dos seus textos Vê! Amei!
    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  6. Nossa! extremamente lindo, Verônica. Bravo!

    ResponderExcluir
  7. Incrível a tua capacidade de coolocar em palavras em palavras coisas indescritiveis. Muito lindo, como sempre!
    Não canso de falar que para mim tu és uma das melhores escritoras que esse Brasil tem atualmente, e a cada texto novo isso se renova e se confirma! Parabéns, de novo!

    ResponderExcluir
  8. Sempre vale a pena esperar por um novo texto.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. teus textos são maravilhosos sério, mas uma vez arrasou parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Realmente lindo e traduz muito o que sinto. Chega uma hora em que o comum não é o suficiente, não basta. Adorei.

    ResponderExcluir
  12. Nossa perfeito.Como sempre.*-*Adoro os seus textos e me identifiquei muito com ele,cada linha parecia até meus pensamentos e desejos!
    Um grande beijo e obrigada,voce,por visitar o meu cantinho.=)

    ResponderExcluir
  13. Finalmente *-* Senti tanta falta dos seus textos, vou te contar que sempre entro aqui na esperança de que um texto novo tenha sido postado, e levei um susto daqueles bem gostosos quando entrei hoje aqui e vi que tinha texto novo. Texto perfeito, como todos os seus outros textos são.

    ResponderExcluir
  14. Também não consigo... Por mais que eu queira e tente...
    Verônica, sempre maravilhosa!

    ResponderExcluir
  15. Acho que é a milésima vez que digo que me sinto Verônica todas as vezes que ponho os olhos nessas linhas. Lindo! :*

    ResponderExcluir
  16. Quanto tempo sem postar. Que grito belíssimo! Adorei.


    "Eu quero mais de cada coisa que a existência oferece."

    ResponderExcluir
  17. O texto é incrível! Parabéns flor!
    O seu talento é único, nunca deixe de escrever, pois suas palavras descrevem o que muitas pessoas sentem e não conseguem dizer!
    Um beijo doce!

    P.S.: Com muito orgulho que digo que possuo diversos textos seus postado em meu blog com seus dévidos créditos, pois é muito bom compartilhar coisas que gostamos! E é claro que seu blog está nos meus favoritos!

    ResponderExcluir
  18. Muito obrigado pelo comentário. É bom saber que a gente não ta sozinho com alguns sentimentos. Mesmo que o sentimento (como vc mesma disse) seja a solidão. Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Bons textos. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  20. Sentimentos que perturbam até que precisamos gritá-los. E, como sempre, um grito muito bem expressado. Vc tem a facilidade de encontrar as palavras que tantos precisam, e a facilidade de substituir por aquelas que todo mundo já está cansado de ouvir e dizer de graça.

    ResponderExcluir
  21. Esse viver em sensação constante de querer mais. Essa vontade de não ser miserável de existência.

    Parabéns pelo texto! (:

    ResponderExcluir
  22. Que texto perfeito é este?rs...cheio de ritmo, contagiante! Seus escritos me inspiram Verônica!

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. O avesso é tão certo, quanto as palavras que sopram sem doer. Se o corpo se faz pequeno. A alma se torna grande. Assim como o medo ás vezes é necessário, a ousadia pode completar todas as histórias e se for pra ser algo mudo. Que seja gritante ao coração. Feito riso preso, que explode no coração.

    Vê, te admiro, tanto! um beijo

    ResponderExcluir
  26. Sempre tirando o meu fôlego com suas palavras.
    Faz um tempo que lhe admiro em silêncio, mas hoje quero falar que gostaria muito conseguir me expressar assim, como você.

    Vai ser uma honra recebê-la no meu blog.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  27. Parabéns por mais um texto fantástico... Obrigada por postar palavras que parecem que foram ditas pela minha alma... Muita luz para você! Abraços!

    ResponderExcluir
  28. Imagina Vê, acho que seus textos são fortes o suficientes para montar um palco de teatro em nossas mentes, cada um com seu personagem, se identificando de alguma maneira...=). Esses dias estou na calmaria então não me identifiquei com esse ultimo texto (apesar de costumar ser do avesso e contraditório com quase tudo na sociedade) mas ainda assim paro para pensar quantas pessoas nesse mundo estão para explodir e me pergunto, até onde vai a dor dessa prisão?

    Um super beijo minha amiga e obrigado pela visita...;D

    ResponderExcluir
  29. Nossa! lê esse texto foi como caminha dentro da minha alma!!!o texto é de uma simplicidade encantadora, tem ritimo,nem sei como descrever..é ancioso,empolgante!! parabéns

    ResponderExcluir
  30. Os barulhos e ruídos da vida lá fora; a música e a bagunça da Alma aqui dentro, são apenas estratégias da própria Vida.. de realçar o silêncio que revela a verdade das coisas, dentro e fora da gente e que nos ultrapassa.

    ResponderExcluir
  31. gosti diz:

    vc me conhece. e so vc se identifiar tambem ;-)

    ResponderExcluir
  32. Que presente encontrar esse blog!
    Parabéns pra vc Verônica, simplicidade, objetividade!

    ResponderExcluir