outubro 16, 2009

Plural de solidão

Eu me sentia a pessoa mais sozinha do planeta, e não faz nem uma semana. Não tinha assunto pra ninguém e não parecia fazer falta, era só uma preguiça imensa de me impor. Não queria fazer esforço nenhum pra existir pro mundo. Pra que me aproximar se fatalmente farei sofrer? Pra que me interessar se sei que não me apaixono? Pra que viver se eu posso ir levando uma vida medíocre, fingindo esquecer o motivo que faz pessoas acordarem todos os dias e tentarem, mais uma vez, achar um complemento?

Se desistir dos outros já é difícil, imagine desistir do mundo e de você, de você no mundo. Desistir de tudo que é pela metade. Sorrisos pela metade, cumprimentos pela metade, vidas pela metade... Se não é inteiro, não me interessa. Acontece que a gente não pode deixar pra trás tudo que não teve tempo de se formar: uma hora isso me deixa pela metade, e eu não quero ser deixada também. Aprendi a falar esse idioma humano, "oi, tudo bem?" sai automaticamente, mesmo quando quero dizer "Você está bem? Por que eu nunca falei com você antes?". Conhecer melhor as pessoas é uma questão de estar aberta pra isso e saber abrir os outros também. É tomar iniciativas, encontrar assunto, e eu tenho que estar disposta a ser alguma coisa de verdade. Não posso desistir assim.

Eu sei que as pessoas são todas esburacadas, mas o que move o mundo é a busca pelo revertério. Elas vão se preenchendo de música, de festa, de comida, de academia, de gente, porque têm fé no que chamam de amor. Nem que seja o amor próprio. Algo que faça brilhar os olhos, que esconda a realidade fria por alguns segundos ou mais. E o que atrai os outros, inconscientemente, é exatamente isso: essas pessoas parecem tão repletas que despertam fascinação e vontade de estar perto. Mesmo que não sejam repletas de verdade, mesmo que também procurem isso no mundo.

Porque sozinho não é só quem acorda de manhã numa casa sem cachorro, trabalha conversando com a planta no vaso que não toma sol e vai dormir depois de ter visto uma ou duas pessoas que nem ao menos lembram seu nome. Sozinho não é só quem vaga chorando pela avenida Maria Monteiro sem ter pra onde ir e sem ter quem pergunte onde pretende chegar. Não é só quem não tem amigos ou família na cidade e viaja todo final de semana em busca de casa.

Tem aquela sozinha que é a misteriosa da firma e troca olhares com meia dúzia de caras, fazendo as mais tímidas questionarem o seu segredo e desejarem seu lugar, mas que chega em casa e só queria um cafuné, uma cama quentinha, um abraço quentinho. E isso olhar de desejo não oferece. Tem o sozinho que passa o dia entretendo o mundo e não tem ninguém pra agradecer, porque é só mais um malabarista de farol que pede moedas e oferece arte e sorrisos, um chato que incomoda conversas apressadas no celular, atrapalha o trânsito. Tem a tia sozinha que se veste de menina e sai com meninos, mas que nunca é levada a sério. E sabe disso. Sabe também que é melhor fingir essa alegria juvenil do que admitir o fracasso de não ter conseguido evitar a própria idade.

Solidão todo mundo sabe o que é, já experimentou pelo menos uma vez na vida. Tem gente que se rende, tem gente que foge. Mas essa menina carente que é a Solidão - grande ironia - não gosta de ficar sozinha. Às vezes ela traz o medo, a angústia, a dor, fazendo parecer terrível sua existência. Fere os mais vulneráveis. E quando a solidão decide ficar sem machucar? E quando você descobre que é sozinho sim, mas isso não é questão de escolha ou castigo? E se isso não for a pior coisa do mundo, como parece? A solidão não é um bicho de sete cabeças, não é necessariamente uma coisa ruim. Talvez eu ficar sozinha seja o melhor pra todo mundo. Enquanto eu sentir isso, permaneço aqui, no papel. Ser só é ótimo para as articulações dos dedos.

A solidão, quando toma conta assim de alguém, quando não dá outras alternativas, passa a ser mais de uma solidão. Tem solidão de gente, de espaço, de vida. Plural de solidão é vazio existencial. Mas eu estou viva, não estou? As pessoas estão todas aí, não estão? Só me falta somar ao invés de substituir e viver ao invés de escrever. Dá licença, vou até ali fazer diferente.

30 comentários:

  1. É preciso viver muito mais, talvez seja uma das receitas da felicidade. Adoro aqui.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo pura verdade isso tudo! Eus empre venho aqui ler isso me faz mt bem!

    ResponderExcluir
  3. você é fantástica, simplesmente fantástica

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente, com o 3o comentario. FANTASTICA FANTASTICA.
    Eu vi seu coments no meu e nao acredito. Se meu texto, fez alguem como vc, se arrepiar, é pq to evoluindo. Mega feliz. Fui contar pra minha mae mais uma vez: "veronica H passou no meu blog" *-*

    ResponderExcluir
  5. Verônica, você me conhece? Pq todos os textos que vc escreve são exatamente a minha vida, o meu momento!
    LINDO!!!

    ResponderExcluir
  6. simplesmente maravilhoso, seu blog, seus textos !!! Tudo!!!

    ResponderExcluir
  7. Incrivel como parece estar falando comigo/de mim. Maravilhosamente maravilhoso :)

    ResponderExcluir
  8. Adoreeei Vê... Parece tanto comigo essa coisa de querer se esconder do mundo, essa preguiça de mostrar pras pessoas que eu existo, mas enfim, deve ser o signo! hehehe
    beijao :)

    ResponderExcluir
  9. Fantástica sempre!

    A solidão se manifesta de várias maneiras, assim como o amor tem seu cristal de múltiplas facetas.

    ResponderExcluir
  10. "Desistir de tudo que é pela metade. Sorrisos pela metade, cumprimentos pela metade, vidas pela metade... Se não é inteiro, não me interessa. Acontece que a gente não pode deixar pra trás tudo que não teve tempo de se formar" perfeito!

    cara, compreendo demais tudo o que vc escreve. E adoro!
    Parabéns mesmo *-*

    ResponderExcluir
  11. Muitas vezes estar só é ter o mundo todo e não ter ninguém!

    perfeito

    ResponderExcluir
  12. "Mas eu estou viva, não estou? As pessoas estão todas aí, não estão? Só me falta somar ao invés de substituir e viver ao invés de escrever. Dá licença, vou até ali fazer diferente."

    preciso aplicar isso a minha vida, e é urgente!
    obrigada por escrever sempre tão bem. apesar de no viver de um modo feliz, mas é como dizem quanto maior a felicidade, menor o QI. isso se aplica a voce, suas experiencias interferem em suas palavras, e isso a faz uma grande escritora. parabéns veronica,

    ResponderExcluir
  13. " Mas eu estou viva, não estou? As pessoas estão todas aí, não estão? Só me falta somar ao invés de substituir e viver ao invés de escrever. Dá licença, vou até ali fazer diferente. "

    Está viva, ou apenas sobrevive? Sobrevive por não ter outra opção 'aceitável' ? Gostei do texto, e acredito que a pior solidão é daqueles que estão rodeados de pessoas, e mesmo assim, se sentem só ! :P

    ResponderExcluir
  14. meu amor, eu to chorando aqui :/ você não tem noção de como esse post mudou minha vida. eu sou a pessoa mais confusa do mundo e você simplesmente não sabe o tanto que seus post's me fazem bem. muito obrigada por mudar a minha vida. você nem me conhece e pah. mais pelo simples fato de você poder mudar a minha vida, conseguir mudar a minha vida, você é uma heroína. heroína das vidas das pessoas do mundo. você sabe como fazer uma pessoa se sentir bem , você sabe como fazer o mundo se sentir bem, se salvar. eu estava a ponto de me suicidar de tanta tristeza, mais você me salvou e eu só tenho como te agradeçer. MUITO OBRIGADA (:

    ResponderExcluir
  15. Parabéns, você escreve en-can-ta-do-ra-men-te bem! *-*
    Tinha lido alguns trechos seu no opensador.com e agora achei o blog, tô seguindo! rs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. adoreiii teu blog! to te seguindo, passa no meu, bjksss

    ResponderExcluir
  17. Ei Chélide, tudo bem?
    Sempre coisas boas por aqui...
    Inclui no meu blog o soneto do Bilac musicado pelo Kid Abelha e agradeço a você pela dica...
    valeu.
    bj.

    ResponderExcluir
  18. Ah, Verônica, que lindo!
    "e desistir dos outros já é difícil, imagine desistir do mundo e de você, de você no mundo. Desistir de tudo que é pela metade."
    Tô precisando desistir das coisas pela metade também. Sentimentos pela metade, humores pela metade. É porque as pessoas são corroídas em algum lugar e elas sempre estão prontas pra atacar justamente nesse lugar onde suas proprias feridas ainda doem.
    Andei lendo seus textos pela milésima vez. Sei lá. Me faz bem agora que mandei ele pastar. Beijos!

    ResponderExcluir
  19. visita?
    http://coressemnome.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. sinto isso,inúmeras vezes.

    ResponderExcluir
  21. Adorei o texto, aliás tudo que escreves é lindo e intenso!!

    Bjos querida♥

    ResponderExcluir
  22. Muito legal o blog, voltarei mais vezes!

    ResponderExcluir
  23. Oi Verônica,

    Me chamo Danyella e tenho um blog em parceria com uma amiga(o Estouro em Palavras) onde nós postamos textos que nos identificamos.

    Me identifiquei muito com seus textos, postei um uma vez(dei os devidos créditos), só não consegui te comunicar, estava com problemas pra comentar em blogs do blogspot. Agora que foi resolvido, vim aqui lhe comunicar e pedir desculpas.

    E, estou postando hoje o seu texto Férias. Caso você ñ goste que usem seus textos, vc pode me avisar ai nós paramos.

    Desde já, obrigada!

    Beijos,
    Dany.

    ResponderExcluir
  24. Senti seu texto *-*. Muito bom.
    Primeira vez aki gostei

    ResponderExcluir
  25. acho que todos que passam por aqui são sozinhos, e de uma forma ou de outra todos ficamos "sozinhos juntos" quando nos perdemos nos seus textos, a mim vc dá a exata sensação de me achar por alguns instantes

    adoro seus textosss, obrigada bjusss

    ResponderExcluir
  26. FANTÁSTICA!! Menina que dom é esse?? Me empresta por favor??

    ResponderExcluir
  27. Um dos textos mais lindos q já lí na vida..

    ResponderExcluir
  28. Solidão é isso mesmo!! Essa sensação de está sozinho no meio da multidão.Parece até que nós mesmos não conseguimos nos encontrar e o que nos fez chegar até alí. Solidão é a minha companheira, sempre será, mas por escolha minha, nunca dos outros, sou eu quem decide como vou viver. E eu sei, eu também quero viver...

    ResponderExcluir